sexta-feira, 18 de abril de 2008

Parece abril ...
Tempo que passa
o tempo passando
na minha frente, o tempo
lento, sem que percebamos
Estamos quase no meio do ano
e nenhuma rosa se abriu.

Parece maio e abril,
e muito se parecem
nem parece que são dois
e se são, só notei depois
depois de junho ou novembro
em dezembro, nem sabia mais
no mais, eu nem me lembro

Em janeiro devo saber
agora, me foge da mente
chega abril novamente
e de novo nessa eu caio
a propósito,
é abril ou maio?

segunda-feira, 14 de abril de 2008

- Prometo pra sempre amar-te -
isto sim compromete!
Falar de amor na inverdade
é como espetar de um alfinete
Faz do amado um sofredor
Faz do "amar-te" desamor
e de quebra faz sofrer-te.

A promessa tem a autoridade
de fazer o arrependimento.
Cuidado, antes que tarde
deixe a maldade no esquecimento,
Tão bela quando com sinceridade
quando não, é um tormento.

Fazer promessa, na verdade
é usar de um vulnerável tom
Saber fazê-la é uma arte
Saber cumprí-la é um dom!


Luana Andrade

quarta-feira, 2 de abril de 2008


Eu quis fazer um poema,
mas, nem mesmo tenho um tema.
E agora me falta a rima,
será esta a minha sina?
Sina de não ter um tema,
Qual será a rima deste poema?
Tarde!

terça-feira, 1 de abril de 2008


Saudade!
Que bons ventos a traz aqui?
Uma lembrança, felicidade?
ou só a saudade que tens de mim?
A saudade meu peito invade,
és o meu anjo querubim
Que bom que vieste agora à tarde,
fazer-me compania, e sendo assim,
junte-se a mim, puxe uma cadeira
sentada a uma mesa de madeira
escrevos os meus versos sem fim
Não, não vá agora!
que nesta hora a tristeza me pega
Espera um pouco, um pouco de demora
e quando fores embora, saudade,
me carrega!


Boa noite, saudade!
Meu dia se passa num breve instante, e arrisco
dizer que se torna apavorante
Lembrar que os anos são feitos disto.
É assim a nossa vida, e diante do que foi visto,
passar na vida como passante
Se torna um grande risco.


Aquele abraço!